Russia

Rússia dispara tiros e bombas de advertência contra navio de guerra do Reino Unido

Dois caças da Marinha russa, modelo Su-24M e um Su-30SM, do 43º Regimento de Aviação de Assalto Naval que voavam sobre a Criméia, lançaram 4 bombas OFAB-250 perto do Destroier britânico, HMS Defender, no Mar Negro.

O navio britânico que seguia uma rota na qual passava pela Criméia, mudou de direção e foi para o sul.

Isso tudo ocorreu hoje de manhã, no horário de Brasília.

Leia também: Navios de guerra do Reino Unido partirão para o Mar Negro em maio

Essa informação foi confirmada pelo Ministério de Defesa da Rússia, porem, foi desmentida pela assessoria de imprensa do Ministério de Defesa do Reino Unido que emitiu a seguinte nota no Twitter.

O Reino Unido disse ter passado por águas territoriais da Ucrânia, porem, mais a frente, iremos analisar essa informação.

IMAGENS

O Ministério de Defesa da Rússia, divulgou imagens do Destroier britânico HMS Defender sendo acompanhado por caças e um barco-patrulha russo no Mar Negro.

Vídeo 1

Vídeo 2

Em ambos os vídeos, não há registros de disparos tanto de tiros, quanto de bombas, as quais foram alegadas pelo governo russo, porem, isso pode ter sido ocultado por questões estratégicas.

Agora vamos voltar na alegação britânica sobre o HMS Defender estar navegando em águas territoriais ucranianas.

Segundo os dados do AIS (Automatic Identification System) o HMS Defender estava a cerca de 10 milhas náuticas (18,5 km) da costa da Crimeia.

A ONU prevê que as águas territoriais de cada país, podem atingir até 12 milhas náuticas (22 km). Diante disso, o HMS Defender estava a 2 milhas náuticas ou 3,7 km dentro das águas da Crimeia.

O capitão do Destroier britânico, disse que estava navegando por uma rota marítima reconhecida internacionalmente.

Agora que vem as questões diplomáticas desse incidente.

Como a Rússia anexou a Crimeia da Ucrânia, as águas desse território, passam a ser da Federação Russa, porem, como essa anexação não é reconhecida por muitos países, incluindo o Reino Unido, os britânicos alegaram que estavam passando por águas ucranianas. Em tese, a Rússia pode considerar isso uma “casus belli”.

Casus Belli é uma expressão latina para designar um fato considerado suficientemente grave pelo Estado ofendido, para declarar guerra ao Estado supostamente ofensor.

Agora resta esperar e acompanhar o desenrolar disso tudo.

Será que os russos irão aplicar alguma punição ao Reino Unido ou não farão nada pelo fato dos britânicos não reconhecerem a Crimeia parte da Federação Russa?

 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.