França

Mais uma cidade da França, reconhece a independência Artshak

Nós publicamos uma noticia no Twitter há um tempo atrás, onde duas cidades francesas, reconheceram a independência da Republica de Artsakh, também conhecida como Republica de Nagorno-Karabakh.

Seguindo o exemplo das outras cidades francesas, Vienne passa a ser a terceira cidade a reconhecer Artsakh como um estado independente. As outras cidades em questão são Alfortville e Limon.

Esse anuncio foi feito pelo Ministério das Relações Exteriores de Artsakh, através da sua conta oficial no Twitter.

Conforme dito na noticia anterior, o reconhecimento da independência de Artsakh por parte das cidades francesas, pode forçar o governo de Emmanuel Macron a declarar a Republica de Artsakh, como um estado soberano.

Isso pode mudar completamente o status da guerra entre Azerbaijão e Armênia, países esses que lutam pelo controle dessa região.

Caso a França reconheça Artsakh como um estado soberano e independente. Macron poderá vir a atender uma solicitação de ajuda militar por parte do governo de Artsakh.

Essa ajuda pode ser através de envio de armas, ou até mesmo, uma intervenção militar francesa contra o Azerbaijão, o que poderia acarretar em uma guerra direta com a Turquia.

Recentemente, o vice-presidente turco, Fuat Oktay disse que o seu país, não hesitará em enviar tropas para ajudar o Azerbaijão na guerra contra a Armênia.

Essa fala Fuat Oktay, provavelmente não foi atoa, visto que um numero crescente de cidades francesas, tem demostrado o interesse de reconhecer a independência de Artsakh.

Esse reconhecimento, coloca em risco os sonhos do Azerbaijão, em “reconquistar os seus territórios” em Nagorno-Karabakh que de acordo com a resolução da ONU, numero 62/243 de 2008, afirma que esses territórios são azerbaijanos e está sob ocupação das forças militares armênias.

A tendência daqui pra frente, é que outras cidades francesas, reconheçam a soberania da Republica de Artsakh, porem, resta saber se Emmanuel Macron adotará isso para toda a França e intervirá na guerra.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.