AMÉRICASSem categoria

Irã pede explicações ao Brasil sobre nota de apoio aos Estados Unidos

A Chancelaria do Irã convocou o representante do Brasil em Teerã no domingo (5) para pedir explicações à diplomacia brasileira. As explicações são sobre o posicionamento do Brasil frente aos acontecimentos, no Iraque, que culminaram com a morte do general Qassem Soleimani. Soleimani foi atingido por um míssil americano há cinco dias.

Como o embaixador do Brasil naquele país. Rodrigo Azeredo, está de férias, a encarregada de negócios da embaixada, Maria Cristina Lopes, representou o governo brasileiro na reunião no Ministério das Relações Exteriores do Irã. A reunião foi confirmada pelo Itamaraty ao GLOBO, mas o teor da conversa não foi revelado.

“A conversa, cujo teor é reservado e não será comentado pelo Itamaraty, transcorreu com cordialidade, dentro da usual prática diplomática”, informou o Ministério das Relações Exteriores.

Como reação ao episódio, o Itamaraty divulgou uma nota, na última sexta-feira, praticamente respaldando o assassinato do militar pelos Estados Unidos. O órgão condenou várias vezes o terrorismo e, sem citar nomes, usou uma linguagem diplomática para demonstrar que, para o governo brasileiro, o general iraniano e a própria Guarda Revolucionária poderiam ser classificados como terroristas.

[irp posts=”7160″ name=”Fernández reafirma soberania sobre as Malvinas e parte da Antártida”]

“Ao tomar conhecimento das ações conduzidas pelos EUA nos últimos dias no Iraque, o governo brasileiro manifesta seu apoio à luta contra o flagelo do terrorismo e reitera que essa luta requer a cooperação de toda a comunidade internacional sem que se busque qualquer justificativa ou relativização para o terrorismo. Acontecimentos no Iraque e luta contra o terrorismo”.

Nota do Brasil

Na nota, o governo afirma que “o Brasil está igualmente pronto a participar de esforços internacionais que contribuam para evitar uma escalada de conflitos neste momento”. Destaca, ainda, que o terrorismo não pode ser considerado um problema restrito ao Oriente Médio e aos países desenvolvidos, “e o Brasil não pode permanecer indiferente a essa ameaça, que afeta inclusive a América do Sul”.

O presidente Jair Bolsonaro também deu declarações parecidas, e disse que o Brasil é “aliado de qualquer país no combate ao terrorismo”.

A nota recebeu críticas de diplomatas brasileiros da ativa e aposentados, por avalizar o então assassinato de um funcionário de um governo estrangeiro. O que é considerado um ato de guerra, e romper a tradição brasileira de considerar como terroristas as organizações dispostas em listas do Conselho de Segurança da ONU.

Oficialmente, o Brasil só considera como terroristas os grupos al-Qaeda e Estado Islâmico, seguindo resoluções tomadas pelas Nações Unidas.

[irp posts=”7152″ name=”Irã afirma que atacará Israel caso os EUA retaliem a retaliação iraniana”]

Além do Brasil, Teerã pediu ao mesmo tempo esclarecimentos a representantes de outros países que se manifestaram sobre a questão. São exemplos a Alemanha e a Suíça, no caso por representar os EUA no Irã, já que os dois países não mantêm relações diplomáticas.

Por fim, uma enorme multidão se reuniu nesta segunda-feira para a cerimônia fúnebre de Soleimani em Teerã. Pedidos de uma vingança dura contra os então autores do seu assassinato, vindos da filha do militar, de altas autoridades. E também de manifestações espontâneas da população iraniana, foram a tônica da despedida da capital ao general.

Fonte: O Globo

CG ADM

Olá caros leitores! Meu nome é Hericson, mais conhecido por vocês como CG_ADM. Sou o fundador da rede de noticia militar, Conflitos e Guerras. Espero poder está sempre ao lado de vocês provendo noticias de qualidade.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Don`t copy text!
Fechar

Adblock detectado

Olá caro leitor Detectamos que você utiliza um bloqueador de propagandas. Se puder desabilitá-lo enquanto ler nossas noticias, ficaremos agradecidos