Quem luta contra quem e quem apoia quem na guerra da Líbia?

Após a queda de Muammar Gaddaf, a Líbia foi arrastada para o caos. Quando a guerra civil começou em 2011, duas administrações diferentes surgiram ao longo do tempo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde das Nações Unidas, o número de pessoas na Líbia não é conhecido devido aos confrontos.

As Nações Unidas disseram que dezenas de milhares de pessoas foram deslocadas desde o início do conflito.

Os pedidos da comunidade internacional, especialmente da ONU, para interromper os confrontos, que também foram danificados por civis, não são respondidos

Leia também
União Europeia rejeita acordo marítimo entre Turquia e Líbia

A Líbia tem duas administrações diferentes

Há mais de um governo na Líbia, onde a estabilidade política não é alcançada desde 2011, quando um movimento popular, definido como a Primavera Árabe, se transformou em conflitos anti-regime e privou Muammar Gaddafi de seu assento.

Líbia, politicamente dividida em duas após as eleições de 2014.

Um deles é a Câmara dos Representantes em Tobruk, perto da fronteira egípcia no leste do país, e o outro é o governo do Governo de Reconciliação Nacional em Trípoli.

Quem apoia quem na Líbia?

Governo de Reconciliação Nacional com sede em Tripoli, na qual foi criada pelas Nações Unidas (ONU), é apoiada especialmente pela Turquia, União Europeia e por instituições internacionais legítimas e aceitas.

Leia também
Comandante da Marinha de Haftar ameaçar afundar navios da Turquia

Câmara dos Representantes: É uma assembleia onde vários representantes líbios foram eleitos através de uma votação realizada em 25 de junho de 2014 e tem como sede, Tobruk. Ela é o equivalente ao Congresso Nacional aqui no Brasil.

A Câmara dos Representantes é apoiada pelo Egito, Estados Unidos, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, França e Rússia.

As forças militares de Haftar, conhecidas pela sigla LNA, é apoiada pela Câmara dos Representantes. A LNA bem como, também é apoiada pela Rússia, Emirados Árabes Unidos, Egito e Arábia Saudita.

Apesar de Trump apoiar a LNA, o parlamento norte americano não vê Haftar com bons olhos e por isso, não o apoia.

Grandes forças armadas

A costa mediterrânea líbia, com uma população de 6,5 milhões de habitantes e com abundancia de petróleo. descobertas, após a queda de Kadafi, começou a ser tomada por inúmeras facções militares e milicias assim que Kadafi foi morto.

Dentre essas milicias e grupos militares, as que mais se destacam são:

  • Unidades de Trípoli do Memorando Nacional de Entendimento (UMH).
  • As forças baseadas em Misrata, na qual teve a maior participação na derrubada de Kadafi.
  • O Exército Nacional da Líbia do General Khalifa Hafter, com sede em Tobruk.
  • Forças baseadas em Zintan, no oeste do país, perto da fronteira com a Tunísia.

Havia outras milicias, porem, elas ou declararam lealdade as forças de Trípoli, ou se fundiram com as forças do Marechal Haftar.

Invasão a Trípoli e envolvimento de outros países

As forças do Marechal Haftar, recentemente lançaram uma grande e decisiva ofensiva contra Trípoli. sede do Governo de Reconciliação Nacional. Essa invasão por conseqüência, fez acender a preocupação de que outras nações podem vir a interferi diretamente na guerra.

A Turquia deixou então bem claro, que mandará o seu exercito em apoio a Trípoli, caso seja convidada. Atualmente, o Governo de Reconciliação Nacional e Ancara, assinaram um memorando de entendimento na qual consiste em “Limitar as jurisdições marítimas no Mediterrâneo entre os dois países.

Leia também
Erdogan: Turquia pronta para enviar tropas para a Líbia, se solicitado

Isso fez com que a Grécia se sentisse afunilada, já que esse memorando, limita o acesso à áreas marítimas soberanas gregas. Por consequência, a Grécia expulsou o embaixador de Trípoli e fechou o acesso a navios militares turcos na ilha de Creta. Além disso, assinou um pacto de defesa militar com o Emirado Árabes Unidos. Na qual prever um suporte militar caso ambos os países venham a lutar na guerra da Líbia.

Outro pais que se sentiu prejudicado com esse memorando, foi o Egito, que embora já apoiasse as forças de Haftar, aumentou ainda mais a sua cooperação com o Marechal.

A Turquia por sua vez, realizou uma reunião com Trípoli e Catar. Na reunião, Ancara pediu para que o governo catari, ajudasse no financiamento das forças de Trípoli e se envolvesse mais diretamente no conflito.

Há também, informações de que o governo de Israel vem ajudando no treinamento das forças de Haftar em combates urbanos, colocando assim, mais um pais envolvido indiretamente no conflito líbio.

Mostrar mais

CG ADM

Olá caros leitores!Meu nome é Hericson, mas conhecidos por voce como CG_ADM. Sou o criador da pagina no Facebook e do Site Conflitos e Guerras. Espero poder está sempre ao lado de vocês provendo noticias de qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar
Fechar

Bloqueador de Propaganda Detectado

Por favor desabilite o bloqueador de propaganda