Nove mil médicos cubanos foram mandados de volta para Cuba esse ano

Parte dos nove mil médicos cubanos mandados de volta à Cuba.

Do Brasil, de El Salvador, do Equador e da Bolívia, cerca de nove mil médicos cubanos foram repatriados no último ano, após o fim de seus contratos.

Uma decisão estimulada pelo governo Donald Trump e que pode portanto significar um duro golpe para a economia da ilha.

Leia também
História: Há 128 anos, falecia Dom Pedro II, o último Imperador do Brasil

Para Cuba, Washington promove uma campanha para desprestigiar um programa que data de 1963 e do qual mais de 400 mil pessoas participaram em 164 países.

“A cruzada dos Estados Unidos contra a cooperação médica internacional é um ato infame, portanto criminoso”, escreveu o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, na quinta-feira, no Twitter.

Leia também
Deposito de armas da Guarda Revolucionária do Irã é atacada na Síria

Já no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro, aliado de Trump, alegou que o sistema foi aproveitado para infiltrar agentes, portanto rompeu esse acordo.

Leia também
Japão planeja enviar 270 marinheiros para o Oriente Médio

A reconfiguração política na América Latina — que, em grande medida, deu uma guinada para a direita — afetou o programa.

No caso de Bolívia e El Salvador, cujos governos até recentemente eram aliados da ilha, o envio de médicos era um serviço “gratuito”.

No Equador, porém, os 382 profissionais, cujos contratos foram cancelados, eram pagos pelo governo local, portanto representam mais golpe contra Cuba.

Leia também
Mercosul e EFTA fecham acordo de livre-comércio

Assim como metade dos 8 mil médicos que deixaram o Brasil, após a eleição de Bolsonaro no final de 2018.

A magnitude destes golpes financeiros não foi incluída nas estatísticas oficiais, que registram US$ 6,398 bilhões de dólares em 2018 por serviços de saúde no exterior.

IMPORTÂNCIA DA MEDICINA DE EXPORTAÇÃO PARA CUBA.

“Os serviços médicos continuam sendo a principal fonte de receita externa para a economia, e são contratos de difícil relocalização, porque depende de acordo com os governos, portanto, muito sensíveis aos ciclos políticos”, explica o economista Pavel Vidal, da Universidade Javeriana da Colômbia.

CUBA JÁ ACREDITAVA QUE NÃO CONTINUARIA NO BRASIL.

Leia também
Brasil rejeita abastecer 2 navios iranianos que vieram buscar cargas de alimentos devido a sanções

Mesmo neste cenário, Michael Cabrera, subdiretor da Unidade Central de Cooperação Médica, órgão estatal que supervisiona o envio de médicos para o exterior, é otimista.

“Sabíamos que não continuaríamos no Brasil e já fizemos os planos (de 2019) em função dessa realidade. O Brasil nos deu portanto, um grande golpe.”, disse Michael à AFP.

No entanto, não era esperado que a Bolívia os expulsassem, portanto, tal coisa abalou ainda mais a economia cubana, pois não esperavam nove mil expulsos.

Os nove mil mandados de volta à Cuba foram recebidos como “heróis da pátria” pelo atual presidente cubano.

O governo cubano ficava com 80% dos salários dos médicos, o que enfurecia o presidente Bolsonaro, que afirmava:“Onde já se viu ficarem com quase todo o salário do trabalhador? Portanto, é trabalho escravo.”

Mais da metade dos 8 mil médicos cubanos que estavam no Brasil ficaram aqui, portanto, o golpe econômico contra cuba pode ser ainda maior.

Mostrar mais

SKYFORCE

Olá eu sou o SKYFORCE e eu sou Administrador e editor da página e do site Conflitos e Guerras. Tenho como objetivo trazer notícias e informações diárias à todos vocês, sempre de forma séria e imparcial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios