Governo da Itália reitera o seu apoio ao governo de Trípoli, GNA

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, reiterou o apoio de seu país ao governo da Líbia, reconhecido pelas Nações Unidas, durante uma visita à capital, segundo o governo de Trípoli.

Em comunicado divulgado nesta terça-feira (17), o governo do Acordo Nacional (GNA). Disse que Di Maio encontrou seu chefe, Fayez al-Sarraj, e renovou o “apoio da Itália” a ele, bem como aos esforços do enviado da ONU na Líbia, Ghassan Salame, para reviver. o processo político no país.

A Líbia tem sido atingida por turbulências e divisões desde um levante apoiado pela OTAN que derrubou e matou o antigo governante Muammar Gaddafi em 2011.

Leia também
FM da Grécia visitará países Árabes para obter apoio contra a Turquia

Desde então, ele foi dividido entre administrações rivais no leste e no oeste do país, disputando o poder.

Conferencia de Berlim

A autoridade italiana expressou esperança de que uma conferência internacional sobre a Líbia, que será realizada em Berlim. Em janeiro, segundo a ONU, possa levar a um “consenso” entre os países envolvidos na crise da Líbia, acrescentou o comunicado.

A conferência de Berlim foi convocada com o objetivo de acabar com as divisões internacionais sobre a Líbia e abrir caminho para uma solução política para o conflito.

Separadamente, na terça-feira, o Ministro da Itália, Di Maio encontrou o rival de al-Sarraj, o Marechal Khalifa Haftar, na sede do auto-denominado Exército Nacional da Líbia em al-Rajma, a leste de Benghazi.

O site de notícias pró-Haftar al-Marsad postou um vídeo da reunião, mas não forneceu detalhes.

Ofensiva em Trípoli

As forças de Haftar lançaram em abril uma campanha militar para capturar Trípoli da GNA.

A ofensiva provocou combates que deixaram mais de 1.000 pessoas mortas e 140.000 deslocadas, segundo a ONU.

Na quinta-feira (12), Haftar anunciou que havia ordenado que seus combatentes iniciassem uma então “batalha decisiva” para capturar a capital.

Na segunda-feira (16), forças em cinco cidades do oeste da Líbia que lutam sob o GNA, anunciaram uma mobilização para defender Trípoli contra o último avanço de Haftar.

Em um comunicado, as autoridades das cidades de Kabaw, Zliten, Khoms, Msallata e Zawiya pediram coordenação e cooperação para repelir qualquer ataque.

“No terreno, não houve nenhuma mudança importante desde o anúncio de Haftar; nenhum avanço para nenhum lado da guerra ou facções no terreno.

As forças de Haftar estão travando uma guerra da mídia para intimidar e testar seus inimigos. A última declaração foi na quinta-feira pelo próprio Haftar, declarando a então ‘Hora Zero’, incentivando suas forças a entrar em Trípoli

Portanto, esta declaração dessas cidades para mobilização em massa é uma espécie de contra-declaração para intimidar as forças de Haftar. Que agora estão tentando se aproximar do centro da cidade”. disse Mahmoud Abdelwahed, da Al Jazeera, em Trípoli.

Enquanto isso, o Kremlin disse na terça-feira que o presidente da Rússia. Vladimir Putin, e seu colega turco, Recep Tayyip Erdogan, discutirão a oferta de Ancara de fornecer apoio militar ao GNA. Durante as negociações na Turquia no próximo mês.

Leia também
Turquia assinou um pacto militar com as forças de Trípoli

Acordo Turquia e Trípoli

No sábado, a Turquia enviou um acordo bilateral com o governo de Trípoli ao seu parlamento para aprovação, com o intuito de conseguir uma medida que o aproxima de enviar ajuda militar ao governo de Trípoli.

Ancara disse que pode enviar apoio militar à Líbia se o governo de al-Serraj o solicitar, mas o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, disse no sábado que esse pedido ainda não foi feito à Turquia.

Fonte: The Libyan Report

Mostrar mais

CG ADM

Olá caros leitores!Meu nome é Hericson, mas conhecidos por voce como CG_ADM. Sou o criador da pagina no Facebook e do Site Conflitos e Guerras. Espero poder está sempre ao lado de vocês provendo noticias de qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar
Fechar

Bloqueador de Propaganda Detectado

Por favor desabilite o bloqueador de propaganda