Irã processará terroristas que tentaram assassinar Qasem Soleimani

O Irã está processando terroristas capturados que planejavam assassinar o comandante militar do país, Qasem Soleimani. 

“Membros de uma equipe que planejava assassinar o major-general Soleimani estão sendo processados ​​e acusados ​​de participar de ações contra a segurança interna e externa do país, travando Ḥirābah e ajudando as agências de inteligência de países estrangeiros e adversários”, disse o promotor geral da província de Kerman. Dadkhoda Salari na terça-feira.

Além disso, ele acrescentou que todos os indivíduos envolvidos na trama para matar Soleimani, foram atacados em vários pontos diferentes e capturados “em menos de 10 horas”.

Salari mencionou que foi uma tentativa muito bem planejada onde de fato os terroristas foram totalmente treinados e equipados.

Nesse sentido, o Corpo da Guardas da Revolução Islâmica do Irã (IRGC) anunciou várias semanas atrás que havia prendido vários terroristas, desarmando uma conspiração para assassinar o major-general Soleimani.

Soleimani foi o arquiteto da libertação do Iraque e da Síria do Daesh e de outros terroristas.

Leia também: Irã, Rússia e China farão exercícios militares conjuntos no Mar de Omã

Inteligencia do IRCG

A unidade de inteligência do IRGC estava observando de perto a equipe desde seis meses atrás, segundo a autoridade local.

Ele observou que eles planejavam “iniciar uma guerra entre xiitas e sunitas”.

Segundo o procurador-geral, todo o equipamento militar para realizar a conspiração do assassinato foi transferido através de uma fronteira e estava pronto para uso. O local exato da fronteira não foi revelado.

A Inteligência da Guarda Revolucionária monitorava as atividades de elementos celulares terroristas dentro e fora do Irã ao longo do tempo.

Salari observou que os elementos da conspiração terrorista foram processados ​​legalmente por sua participação na ação contra a segurança do país. Tendo sido tramado tanto internamente quanto externamente, considerando que o plano de assassinato do major-general Soleimani é um exemplo claro da agenda de inteligência das forças arrogantes.

Por fim, o procurador voltou a a dizer que os terroristas queriam provocar uma guerra interna e atacar unidades tanto xiitas quanto sunitas. Por certo, a intenção era bem clara, iniciar a guerra entre árabes e não árabes. Ele enfatizou que os objetivos do assassinato eram enfraquecer a frente de resistência e derrotá-la.

Visto que a resistência na qual ele se refere, são aqueles que lutam para defender a Síria de terroristas.

Na semana passada, o diretor de inteligência da Guarda Revolucionária do Irã, anunciou o fracasso de um plano de inteligência árabe-israelense para assassinar o comandante da Força Quds, Qasem Soleimani.

Apesar de muitos associarem essa tentativa ao Mossad, ainda não á uma comprovação.

Fonte
IRNA
Mostrar mais

CG ADM

Sou o fundador da pagina Conflitos em Guerras, a qual foi criada em 2014. Sou uma pessoa que trabalha como todo brasileiro e não recebo ajuda nem do governo e nem de empresas mandar a pagina e o site. Não sou formado em jornalismo, faço esse trabalho por gostar muito de deixar as pessoas informadas sobre esse seguimento na qual não tem muita cobertura das grandes mídias. Caso queria entrar em conta, envie um e-mail para o endereço [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Don`t copy text!
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios