Irã envia navios de guerra para o Golfo

O Almirante do Irã Habibollah Sayyari disse que um destróier e um suporte para transporte de helicópteros foram enviados para fornecer segurança aos navios da República Islâmica em águas internacionais.

Ele disse que o destróier Sahand, que foi introduzido na marinha da República Islâmica no ano passado, estava em sua primeira missão no exterior.

Irã
Sahand foi implantado para proteger os interesses dos navios iranianos (Imagem: IRANIAN ARMY)

O almirante Sayyari disse que o navio fortemente armado salvaguardaria os navios iranianos no Mar de Omã e no Golfo de Aden.

A mídia estatal de Teerã disse que o destróier Sahand estava equipada com mísseis terra-superfície, torpedos e sofisticada tecnologia de evasão de radar, mas nunca foi vista em ação e suas capacidades não podem ser verificadas independentemente.

Leia também: Iraque inicia investigação do ataque de Israel

Sua instalação ao lado do navio de apoio logístico Kharg ocorre em meio a tensões entre os Washington e Teerã pelo colapso do acordo nuclear de Teerã com as potências mundiais e a reimposição de sanções econômicas.

Os EUA aumentaram sua presença militar na região em resposta ao que chamou de indicações de uma “ameaça crível” pelas forças do regime iraniano.

O ministro das Relações Exteriores Iraniano, Mohammad Javad Zarif, acusou os Estados Unidos de “assediarem” navios em águas internacionais e “impedir a liberdade de navegação”.

Zarif avisou que uma presença naval ocidental aumentada no Golfo aumentou o risco de acidentes que, segundo analistas, podem desencadear um confronto mais amplo.

Ele disse:

“Nós não buscamos confronto militar. Mas está claro que trazer navios de guerra para o Golfo Pérsico não aumentará a segurança, mas a possibilidade de acidentes e incidentes”.Zarif

A fricção crescente na região conturbada viu ataques a navios cruzarem o estreito de Ormuz, drones abatidos e petroleiros confiscados.

O governo iraniano apreendeu três navios estrangeiros, incluindo a Stena Impero, de bandeira britânica, enquanto um petroleiro iraniano suspeito de transportar petróleo ilegalmente para a Síria foi invadido por tropas da Royal Marines em Gibraltar.

O Irã insistiu que o petróleo não estava destinado à Síria, e Gibraltar eventualmente assinou a liberação do petroleiro.

Os EUA entraram com uma petição na Suprema Corte do território britânico em uma tentativa de recapturar a embarcação, mas a oferta legal foi negada e o navio foi libertado sob a condição de que não fosse para a Síria.

Uma autoridade iraniana disse que os 2,1 milhões de barris de petróleo do navio, avaliados em aproximadamente US $ 130 milhões, foram vendidos a um “comprador não identificado”.

O navio foi rebatizado como Adrian Darya partiu para a Turquia, mas mudou seu destino. Agora está indo para o leste através do Mediterrâneo.

Fonte
Express
Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Don`t copy text!
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios