Separatismo no Brasil: Movimento quer separar o Espírito Santo do resto do País

/
13 de novembro de 2016 – 21:20:52 

O Separatismo no Brasil ao pouco vai ganhando mais adpetos e isso pode levar a uma conflitos no país já que a constituição não permite tal atitude.

Em sua página no Facebook, o movimento divulga uma consulta popular para o dia 10 de março de 2018 e incentiva os seguidores a votarem pela “liberdade capixaba”

Oficializado há dois anos, um movimento defende que o Espírito Santo se separe do resto do Brasil. Os membros do grupo separatista “O Espírito Santo é Meu País” já organizam, inclusive, uma consulta popular para saber a opinião dos capixabas sobre a proposta.
Na página do Facebook, o movimento divulga a consulta para o dia 10 de março de 2018 e incentiva os seguidores a votarem pela “liberdade capixaba”. 
Os integrantes da organização vão dedicar o ano de 2017 para conquistar adeptos.
De acordo com o publicitário Guga Lima, fundador do movimento, o grupo já conta com mais de 200 participantes ativos. Na fan page da organização, os membros argumentam que, da lista dos dez países menos corruptos do mundo, nenhum deles é maior do que o estado do Amazonas. 
Para o fundador, a crise política e econômica que o Brasil enfrenta nos últimos anos reforça a importância do Estado ser autônomo.
No Facebook, a página tem mais de 2.500 curtidas Foto: Reprodução/ Facebook

“Viajei para a Europa e reparei que nenhum país é maior que a Amazônia e qualquer país de lá é mais organizado do que o Brasil. O povo do Espírito Santo tem clamado por mudanças e não dá mais para esperar. Queremos separação”, frisa o publicitário.

Hoje, Aracruz, Cachoeiro de Itapemirim, Santa Maria de Jetibá e Venda Nova do Imigrante são os municípios com maior número de integrantes, de acordo com o fundador. 
A ideia é que, na consulta de 2018, todas as cidades capixabas tenham pontos de votação. O resultado será levado para os deputados federais e senadores que representam o Espírito Santo no Congresso Nacional.

“Tem gente que fala que a separação é impossível. Mas, alguns meses atrás, alguém acreditava que Donald Trump seria eleito nos EUA? Não estou defendendo o presidente eleito mas o resultado reforça que não existe isso de impossível”, provoca Guga.

A turbulência política no Brasil não é o único argumento do grupo, que diz que a autonomia do Espírito Santo é importante para preservar a identidade cultural do capixaba. Eles afirmam que os capixabas, hoje, são obrigados a cultivar a cultura de outros Estados.

“Hoje somos obrigados a tragar a cultura carioca ou baiana como se fosse a nossa. Nós temos a nossa própria cultura. As danças, as manifestações culturais deles não nos representam. E a ONU defende o princípio da autodeterminação dos povos, o que legitima nosso movimento”, diz o publicitário.

Lima afirma, porém, que o movimento capixaba não é xenófobo e que não quer a expulsão de moradores que nasceram em outros estados.
O perfil do grupo nas redes sociais também destaca, como justificativa para a separação, que o Espírito Santo é “um dos maiores produtores de petróleo do mundo”, um Estado “privilegiado pela indústria, estações portuárias e uma enorme faixa litorânea” e que “paga ao Governo Federal muito mais que o dobro do que recebe de investimentos”.
Foto: Reprodução/ Facebook “O Espírito Santo é Meu País”
Grupo organiza consulta popular em 2018 Movimentos separatistas se unem no Brasil
Para separar o Espírito Santo, o grupo precisa enfrentar a Constituição brasileira. O artigo 1° da carta estabelece que a “República Federativa do Brasil é formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal”.
Pensando nisso, cinco movimentos separatistas, entre eles o “Espírito Santo é o Meu País”, lançaram, em São Paulo, a Aliança Nacional, grupo que pode vir a se tornar um partido político e batalhar por uma mudança na lei brasileira.
Participam da Aliança, além do grupo capixaba, organizações de outros quatro estados:
  • São Paulo (São Paulo Livre), 
  • Rio de Janeiro (O Rio é o Meu País), 
  • Pernambuco (Grupo de Estudo e Avaliação Pernambuco Independente – GEAPI) e 
  • Roraima (Roraima é o Meu País). 
Todos eles planejam realizar consultas semelhantes no dia 10 de março de 2018.
Forma de governo
Após a independência, a população de cada Estado teria autonomia para escolher uma nova forma de governo. 

“Nosso grupo tem uma preferência pela Monarquia. Temos, inclusive, contato com a família real. Mas isso será decidido depois, pelo povo. Somos democráticos”, explica.

Sobre as relações com os outros estados do Brasil, o fundador do movimento capixaba diz que os membros querem que o Espírito Santo mantenha um bom contato com os vizinhos e também com países da América Latina. 

“Só não queremos relação com países comunistas, que têm ligação com o PT (Partido dos Trabalhadores)”.

Fonte: Gazeta Online

1 Comment

  1. “Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal …” Apenas uma minoria antipatriota e utópica no Estado do Espírito Santo é a favor de sua separação do país, porque a grande maioria, tenho absoluta certeza, é contra esse movimento, assim como tantos outros que reivindicam a emancipação, tais como: Nordeste e o Sul. Mas para aqueles que insistirem nessa ideia serão devidamente rechaçados, como aconteceu em outros movimentos no passado na história do país. “Brasil acima de tudo”.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.